16 de dezembro de 2018

EPAMA

Noticias

Demitir pela emoção.

“Dependendo do serviço prestado, lembre-se que todos já têm o seu problema resolvido, cabe ao fornecedor mostrar porquê o seu serviço é melhor.”
(Cláudio Artero – Empresário Paulistano)
(Todas as postagens foram baseadas em fatos reais pelo consultor)

Edson Carlos de Oliveira
Consultor de Custos e Estratégias

Negócios foram feitos para ser rentáveis, mas por que alguns não são tão rentáveis? Muitas vezes porque o empreendedor tem enormes dificuldades em controlar suas ansiedades e tomam decisões muito mais baseadas na sua emoção do que na razão.

Muitos de meus clientes sentem na pele este problema, principalmente quando se trata de admitir ou demitir pessoas de sua equipe.

Vejamos alguns exemplos, muito comuns entre os meus clientes e, acredito, em muitas outras empresas também:

O funcionário faz algo errado e a primeira decisão é demiti-lo. Não estou fazendo nenhuma apologia de não se demitir quem faz algo errado, mas provocar uma reflexão se esta é a melhor solução e, após a reflexão, tomar a melhor decisão, que pode até ser a demissão.

Infelizmente, devido à má contratação, que é um problema, geralmente, causado pela ansiedade, em pouco tempo de trabalho se demite, ou seja, gera um “turn-over” alto e aumenta-se os custos com movimentação de pessoal, treinamento, etc.

Quando se contrata uma pessoa, nem sempre há a preocupação em treiná-la e se espera que ela venha pronta do mercado. Ledo engano, são raros os casos em que alguém vem “pronto” do mercado e, quem está “pronto”, normalmente já está bem empregado, além deste profissional também ter o seu preço, nem sempre compatível com o que quem contrata está disposto a pagar.

Outro problema com o alto “turn-over” são as promessas não cumpridas. Já vi casos de promessas de benefícios feitas, serem arbitrariamente alteradas pelo empregador pelo simples fato do contratado não corresponder às expectativas, sempre lembrando que na hora de prometer, nem sempre houve uma vinculação entre o que foi prometido e as expectativas.

Outro engano comum é ameaçar as pessoas, às vezes com alteração no tom de voz e até expondo as pessoas diante de seus colegas de trabalho. Este cenário, além de ser um crime previsto em lei, faz com que gere desmotivação no ambiente de trabalho e, que na maioria dos casos, leva a um boicote generalizado. Lembrando também que na ausência do líder que provocou o mal estar, tudo vira motivo de piadas, seja contra o humilhado ou contra o empregador. Lembrando que enquanto se faz piadas, reduz-se a produtividade.

Caro empreendedor, é importante refletir sobre sua postura na administração de seus recursos humanos, lembrando que a sua empresa não é a única disponível no mercado e que as pessoas não estão morrendo de vontade de trabalhar nela, elas só trabalham por uma questão: NECESSIDADE, e se houver opções, elas irão para outras empresas e não havendo, ficarão na sua empresa e, neste caso, vale refletir que quem não arruma outra empresa pode ter uma incompetência que está sendo absorvida pela sua empresa. Fique atento, afinal, negócios foram feitos para ser rentáveis.

NEGÓCIOS FORAM FEITOS PARA SER RENTÁVEIS, CONSULTE UM ESPECIALISTA EM CUSTOS

Edson Carlos de Oliveira
Consultor de Custos e Estratégias
www.consultoriaplanecon.com.br
edson.ow.consultoriaplanecon.com.br

Facebook

Siga-nos no facebook
Assine nossa Newsletter e receba nossas notícias GRATUITAMENTE!
Assinar