30 de novembro de 2020

EPAMA

Noticias

Saiba como fazer mapa de risco para seu posto de combustível

Cumprir as recomendações previstas na legislação é uma das maneiras de o gestor de posto de combustível se ver livre de autuações, multas e danos físicos e materiais provocados por acidentes, que poderiam ser evitados por meio de informações no estabelecimento. Por isso, é tão importante saber como fazer um mapa de risco.

Essa é uma obrigação prevista na norma regulamentadora número 5 (NR 5), do ministério do trabalho. Trata-se de representações gráficas, desenhos que indicam os tipos de riscos existentes nos diferentes locais do posto, além dos seus graus de intensidade. Devem ser elaborados pelos membros da CIPA ou por algum outro colaborador capacitado para essa ação.

Elaboramos este artigo com as principais dicas para fazer um mapa de risco de maneira correta. Acompanhe.

Faça o layout da área

O primeiro passo é ter em mãos o layout do estabelecimento. Isso significa que você precisa ter uma planta baixa, ou seja, um desenho indicando os ambientes do seu posto. Caso ainda não tenha um projeto ou não saiba como fazer, o recomendado é que você contrate um profissional de engenharia ou arquitetura para elaborar. Esses são os indivíduos mais preparados para executar esse trabalho.

Identifique os riscos do local

De posse do layout, você deve identificar os ambientes por meio de círculos com três diferentes tamanhos de risco: grande, médio e pequeno, com legendas. Serão demonstradas as atividades, a quantidade de colaboradores e, quando houver, as máquinas existentes no local.

Classifique por cores

Além dos tamanhos, os círculos devem ser elaborados em cinco cores. Entenda o que elas significam de acordo com a NR 5:

  • verde, riscos físicos: ruídos, vibrações, radiações ionizantes, frio, calor, pressões anormais e umidade;
  • vermelho, riscos químicos: poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases, vapores e substâncias compostas ou produtos químicos que podem prejudicar a saúde do trabalhador;
  • marrom, riscos biológicos: vírus, bactérias, protozoários, fungos, parasitas e bacilos;
  • amarelo, riscos ergonômicos: levantamento e transporte manual de peso, os trabalhos noturnos, monotonia e repetitividade, jornadas prolongadas, esforços físicos intensos e situações que possam provocar estresse;
  • azul, riscos de acidentes: que podem ser provocados por máquinas e equipamentos sem proteção, a probabilidade de incêndios ou explosões, arranjo físico inapropriado, iluminação inadequada, armazenamento indevido, entre outros.

Acrescente as informações dos riscos existentes

Habitualmente, as normas descrevem em seus textos situações genéricas. Portanto, você pode e deve acrescentar no seu mapa informações de riscos particulares existentes no seu posto de combustível, sempre que julgar necessário.

Alerte os colaboradores

Encerrado todo esse trabalho, você deve informar a todos os colaboradores do posto de combustível, independentemente de cargo e função, a existência do mapa de risco. Precisa alertá-los da sua obrigatoriedade e dos benefícios que traz para a segurança de cada um deles nas suas rotinas.

Com essas dicas, certamente, você já deve ter percebido a importância para o seu posto do que é e como fazer um mapa de risco de maneira correta e fiel ao seu estabelecimento. Não deixe acrescentar nenhuma informação. Se tiver dúvidas, procure o seu sindicato. Caso não elabore o mapa de risco, você poderá ser autuado por meio de denúncias ou fiscalizações de rotina, além de também correr perigo desnecessário por meio da desinformação de seus colaboradores.

FONTE:

Minaspetro

Facebook

Siga-nos no facebook

Publicidade

Assine nossa Newsletter e receba nossas notícias GRATUITAMENTE!
Assinar